English:
menu.gif

Google


ROCK > Notas

 1 - 1 de 1

Musical Sun (SĂŁo Paulo-Brasil, data: 20/12/2014)
Sergio Vid apresenta pela primeira vez cançÔes de Chico Buarque em ritmo de rock, com letras em inglĂȘs
Sergio Vid - Foto: Elias Nogueira
Lançamento dia 13 de Dezembro no Circo Voador

O novo CD intitulado "Rockin' Chico", com 10 cançÔes do período 1968-1989, vertidas
para inglĂȘs, serĂĄ apresentado ao vivo e na Ă­ntegra, na magnĂ­fica voz de Sergio Vid.

Serviço:
CIRCO DO ROCK APRESENTA:
21h
Sergio Vid - Rock 'N Chico
Fuzzcas
Os VulcĂąnicos
Blue e The Underdogs

Preços:
1Âș Lote: Inteira (R$40) / Meia (R$20)
2Âș Lote: Inteira (R$60) / Meia (R$30)

Observação:
Preços sujeitos a alteração sem aviso prévio.

Pontos de venda:
Bilheteria Circo Voador

Rua dos Arcos, s/nÂș - Lapa

Posto BR Mirili
Avenida das Américas, 3757 - Barra da Tijuca

Posto BR PiraquĂȘ
Avenida Borges de Medeiros, s/nÂș - Lagoa Sobre o evento
O Rock está mais forte do que nunca! E vai correr nas veias a partir da primeira edição do ‘CIRCO ROCK’, que acontece no dia 13 de dezembro no Circo Voador. O templo do rock brasileiro que nos anos 80 produziu o "Rock Voador" e fez história lançando toda uma geração de artistas, receberá agora cinco bandas que vão da novíssima cena roqueira carioca aos já consagrados ‘dinossauros’ do Rock’n roll.

Nessa primeira edição do ‘Circo Rock’ sobem ao palco do Circo Voador o jĂĄ aclamado roqueiro ‘Sangue Azul’ SERGIO VID que vai arrepiar o pĂșblico com o lançamento do seu novo projeto que traz a obra de Chico Buarque pela primeira vez em ritmo de rock, com letras em inglĂȘs e no melhor estilo rock pauleira. Com ele, estĂĄ uma turma da pesada que vem fazendo carreira e jĂĄ atraem uma legiĂŁo de fĂŁs por onde tocam que sĂŁo os FUZZCAS, OS VULCÂNICOS e os THE UNDERDOGS, representando a novĂ­ssima geração estĂĄ a ‘princesa do rock’ BLUE apresentando seu primeiro trabalho "Get a Grip". Alinhavando os shows dessas ‘feras’, estĂĄ o DJ GUILHERME SCARPA no comando das carrapetas.

SERGIO VID - ROCK 'N CHICO
‘VocĂȘ estĂĄ enganado se acha que a obra de Chico Buarque jĂĄ foi cantada e recriada de todas as formas possĂ­veis. Pela primeira vez em ritmo de rock, com letras em inglĂȘs, aqui estĂĄ Rock n' Chico, com 10 cançÔes do perĂ­odo 1968-1989, vertidas para o inglĂȘs com uma embalagem sofisticada de rock'n'roll e vocais magistrais de Sergio Vid’ ....
... ‘Vid nĂŁo se prendeu as fases da carreira do homenageado, tanto que sua seleção cobre um perĂ­odo de 21 anos. "Isso nĂŁo importou, mas sim mĂșsicas que me marcaram, continham elementos da linguagem rock e permitiram um versionamento consistente." ...
...’Vid manteve a linha das letras originais sempre que possĂ­vel, em algumas teve que fazer adaptaçÔes. O projeto sĂł começou a ser preparado em 2007, chegando Ă  finalização agora, sete anos depois’....
... ‘A crítica aclamou Vid como um vocalista top de linha do Rock Brasil. Ele passou pelo Sangue da Cidade, formou o grupo Vid & Sangue Azul e lançou quatro discos’... ‘Tocou no segundo Rock in Rio depois de derrotar 400 bandas na Escalada do Rock.
*Trechos do original escrito por Jamari França

Sergio Vid (lead vocal) estarĂĄ acompanhado por Ricardo Marins (guitarra), Dudu Trentin (teclados), PH Castanheira (baixo), Heitor Lima (bateria).

FUZZCAS
O rock nacional atual pode ser um pouco - aliĂĄs MUITO - mais do que um som para universitĂĄrios ou para adolescentes. Pode ser um som que atraia homens, mulheres, crianças, adolescentes e atĂ© os exigentes amantes do rock clĂĄssico. "Tudo por uma mĂșsica que, antes de tudo, seja atemporal", dizem, quase em unĂ­ssono, Carol Lima (voz), Leandro Souto Maior (guitarra), Fabiano Parracho (baixo) e Lucas LeĂŁo (bateria). Eles sĂŁo o ‘Fuzzcas’, banda que vem se reinventando apĂłs seu primeiro EP e estrĂ©ia em CD com 'Feliz Dia de Hoje'. Oferecem peso e melodia em cançÔes como 'Acorde Mais Cedo' e 'Bad Girl'. Partem para influĂȘncias de Celly Campello em 'Tic Tac Do Amor'; e dos Novos Baianos em 'Vamos Brincar De Roda'. Comovem no folk-rock cantarolĂĄvel e assoviĂĄvel 'Se A Saudade Bater'. Dramatizam (calma, Ă© tudo no melhor dos sentidos) em 'Valsa Triste'.

OS VULCÂNICOS
Um grave pulsante + Tambores selvagens + Recheios reverberados de guitarras fuzzísticas. Na ativa desde 2010, ‘Os Vulcñnicos’ vem fazendo shows quentes e viscerais pelos principais cantos do Rio de Janeiro.
Com dois EPs gravados "Os Vulcùnicos (EP) 2012" e "El Truco (EP) 2013", também foram responsåveis por dar vida às noites de uma região quase esquecida do bairro da Lapa, tocando e organizando eventos semanalmente, por um período de dois anos no "SobradequintA".
Passaram pelo Circo Voador em 2012 no MoLA e em 2014 abrindo o show do IRA, tocaram no Campeonato Mineiro de Surf (BH), no Aldeia Rock Festival (Aldeia Velha), SESC Tijuca; Teatro Odisséia, entre tantos outros, e recentemente fizeram uma mini tour, passando por São Paulo e o Festival Autorock em Campinas. O trio é formado por Zozio (bateria/voz), o Recifense Dony Escobar (guitarra/voz) e Filipe Proença (voz/baixo).

THE UNDERDOGS
Inspirados pelo rock da dĂ©cada de 70 e clĂĄssicos como o Deep Purple, Rush e The Who, quatro mĂșsicos se juntaram com um Ășnico propĂłsito: fazer rock no Brasil e no mundo. Os Underdogs, quarteto formado pelo cantor inglĂȘs Dan Torres, pelo produtor PH Castanheira (baixo e teclados), Ricardo Marins (guitarra) e SĂ©rgio Melo (bateria), realizam uma jornada pelas diferentes vertentes do estilo, em seu primeiro CD, “The Underdogs”. “Queremos trazer a força do rock de volta ao cenĂĄrio musical, resgatando o roqueiro que hĂĄ dentro de cada um de nĂłs”, afirmam os mĂșsicos.
Com 10 composiçÔes, todas em inglĂȘs, o grupo apresenta o rock and roll clĂĄssico e toda a sua potĂȘncia, em cançÔes como ”She paints the World”, “Believer”, “Tell me Why” e “The Big Bang”, descrita pelos mĂșsicos como uma mistura de Led Zeppelin com Beatles. As baladas que transformaram os roqueiros na paixĂŁo de muitas fĂŁs tambĂ©m estĂŁo presentes, com “Winter of my Soul” e “The Right Side”. O rock progressivo, que trouxe para o mundo da mĂșsica seus solos e vocalizaçÔes diferenciadas, tambĂ©m deixa sua marca na obra, com “We are not alone” e “Into the fire”.

BLUE
Com muito rock'n'roll na veia "Blue" estĂĄ longe de ser a ovelha negra da famĂ­lia. Cantora, atriz, compositora e cheia de personalidade, Blue a "princesa do Rock" apresenta seu primeiro EP "Get a Grip". Acompanhada por sua fiel banda dirigida pelos produtores musicais ZĂ© Henrique e MarcelĂŁo (integrantes da banda Yahoo e diretores do estĂșdio "Pedra da GĂĄvea”) a cantora apresenta, em seu primeiro show, clĂĄssicos como "Back to Black"- Amy Winehouse e composiçÔes prĂłprias, que sĂł tirou da gaveta quando as apresentou aos seus produtores. Destaca-se por sua intimidade com os palcos, relação que vem desde a infĂąncia. Lançando seu primeiro EP independente gravado no estĂșdio "Pedra da GĂĄvea", Blue se apresentarĂĄ pela primeira vez nos palcos cariocas dia 13/12 no projeto "Circo Rock" no Circo Voador.

==========
Sobre SERGIO VID

Sergio Vid começou formalmente a carreira artística no final da década de 1970, quando ingressou como vocalista da banda Legião Estrangeira, do guitarrista Celso Blues Boy.

Em 1981 passou a integrar o grupo carioca de rock Sangue da Cidade. O grupo apresentou-se inĂșmeras vezes na casa noturna Western Club, um dos principais points musicais do Rio de Janeiro nos anos 80, e ainda em programas de TV da Ă©poca, tais como "Globo de Ouro", "Cometa Loucura", "Geração 80", “Discoteca do Chacrinha” entre outros, e em casa noturnas como Circo Voador, Teatro Ipanema e Morro da Urca.

Em 1982, integrando o Sangue da Cidade, lançou o compacto simples (WEA) com as faixas "Brilhar a minha estrela" e, no lado B, o rock urbano "Feito louco". E strong>"Brilhar a minha estrela" foi incluída na trilha sonora do premiado filme “Tropa de Elite”, em 2007.

No ano de 1983 desligou-se da banda Sangue da Cidade, lançando duas faixas com o Doce Veneno (PolyGram) e com o 6L6 (Ariola). No ano seguinte, em 1984, Sergio Vid integrou, por um breve perĂ­odo, o grupo gaĂșcho de rock Bixo da Seda, fazendo show no Circo Voador em Porto Alegre.

Em 1986, com sua banda Vid & Sangue Azul, lançou um EP com as faixas "Criança inconseqĂŒente" e "Rio de Janeura", esta Ășltima executada por oito anos seguidos na RĂĄdio Fluminense FM. “Rio de Janeura” foi sucesso tambĂ©m em outros estados brasileiros. Nesse mesmo ano, criou o movimento MĂșsica Pauleira Brasileira – MPB, com uma releitura totalmente hard rock para a obra “Partido Alto”, de Chico Buarque de Hollanda.

No ano de 1991, com sua banda Vid & Sangue Azul, participou do "Rock In Rio II", ao ganhar o primeiro lugar dentre quase 400 artistas no festival "Escalada Rock", promovido pela Artplan. A banda abriu os shows de Santana, Billy Idol e INXS no MaracanĂŁ. Sergio Vid foi apontado, pelo Jornal do Brasil, como o melhor cantor de hard rock do paĂ­s.

Em 1992 lançou o LP “Vid & Sangue Azul” (Cogumelo), com sete faixas em inglĂȘs e trĂȘs em portuguĂȘs, a maioria de sua autoria.

Em 1994 preparou um total de sete faixas do projeto MPB (MĂșsica Pauleira Brasileira) , contendo versĂ”es pesadas do “piloto” “Partido alto” (Chico Buarque), mais “Como vovĂł jĂĄ dizia” (Raul Seixas), “FĂ© cega, faca amolada” (Milton Nascimento/Ronaldo Bastos), “É” (Gonzaguinha), “Pra nĂŁo dizer que nĂŁo falei de flores” (Geraldo VandrĂ©), “Sou uma criança, nĂŁo entendo nada” (Erasmo Carlos/Ghiaroni) e “Hora do almoço” (Belchior). As faixas foram gravadas em portuguĂȘs e inglĂȘs, seguindo a tendĂȘncia de Sergio Vid de verter reciprocamente os dois idiomas.

Também em 1994 gravou o jingle da Coca-Cola para as Olimpíadas (Barcelona) , nove meses no ar na televisão brasileira.

Ainda em 1994, foi considerado como opção brasileira para substituir Bruce Dickinson no Iron Maiden.

No ano de 1997 lançou o primeiro CD, "A Bruxa", no qual interpretou, em portuguĂȘs, as faixas que haviam sido lançadas em inglĂȘs no LP “Vid & Sangue Azul”, de 1992 (Cogumelo).

No ano de 1999 foi convidado pelo saudoso Almir Chediak para participar do songbook de Chico Buarque (Lumiar). Gravou, em dueto com Victor Biglione (guitarra), a faixa "Hino de Duran", da Ópera do Malandro, a qual tambĂ©m foi vertida para o inglĂȘs.

Em 2000 a EMI lançou coletĂąnea de melhores das ediçÔes 1985 e 1991 do Rock in Rio. O volume 5 continha Iron Maiden, Queensryche, Vid & Sangue Azul, Joe Cocker e Go Go’s.

Em 2001 Sergio Vid lançou o disco "DIVersĂ”es" (Warner), todo composto de clĂĄssicos do rock vertidos para o portuguĂȘs, tendo Sergio Vid obtido autorizaçÔes de artistas tais como George Harrison (Beatles), Stevie Wonder, Steven Tyler (Aerosmith), Tim Rice & Andrew Lloyd Webber, Tom Johnston (Doobie Brothers), David Gates (Bread), Paul Simon (Simon & Garfunkel) e outros luminares do rock internacional. Este CD contĂ©m participaçÔes prestigiosas de ZĂ©lia Duncan e BarĂŁo Vermelho.

No ano de 2007 sua interpretação para "Brilhar a minha estrela", foi incluída na trilha sonora do filme "Tropa de Elite" (Som Livre), dirigido por José Padilha.

Durante sua extensa carreira, Sergio Vid participou, como convidado, de vários discos de amigos, entre os quais, o do baixista Jorge Pescara (“Grooves in The Temple”/Voiceprint/2005), em uma faixa de autoria de Jimi Hendrix, "Power of Soul", lançado mundialmente.

Gravou a faixa "Yer Blues", dos Beatles, com o guitarrista Big Gilson, faixa incluĂ­da no CD “Álbum Branco” (Discobertas/2008) – uma homenagem aos Beatles – e tambĂ©m no CD “Sentenced To Living”, de Big Gilson (Bluestime/2009), sucesso na França. Ainda com Big Gilson, compĂŽs “Tormenta”, um rĂ©quiem aos atingidos pela catĂĄstrofe ambiental em TeresĂłpolis, RJ, em janeiro de 2011. BNegĂŁo compĂŽs um rap para a obra. A faixa saiu no CD de Big Gilson “Aqui Pra VocĂȘ” (Coqueiro Verde).

Em 2013, Sergio Vid foi convidado e gravou a faixa “Hey Man” para o CD “Na Hora Certa” (Mutante) de Ronaldo Jones, seu antigo companheiro do Sangue da Cidade.

Desde 2007, Sergio Vid vem construindo um repertĂłrio em inglĂȘs, vertido pelo prĂłprio para dez obras do poeta Chico Buarque, num projeto de sua concepção intitulado “Rockin’ Chico” . Sergio Vid Ă© ardoroso fĂŁ de Chico Buarque, a quem rende homenagem. Para ajudĂĄ-lo a materializar o projeto, buscou a expertise do velho amigo do Sangue da Cidade, “PH” Castanheira, que tambĂ©m toca no disco. AtĂ© agora, as faixas prontas sĂŁo “Partido Alto” (If you know who you are), “Mulheres de Atenas” (Women of Athens), “Olhos nos Olhos” (Eye to Eye), “Hino de DurĂĄn” (Duran’s Code), “CĂĄlice” (Grail) e “Brejo da Cruz” (Swamp of the Cross). Outras quatro, jĂĄ vertidas, serĂŁo brevemente apresentadas a seu Ă­dolo na MPB, o poeta maior, Chico Buarque de Hollanda. Algumas faixas foram ouvidas no exterior e jĂĄ contam com interesse da indĂșstria especializada.

==================================

RELEASE: "Rockin' Chico por Jamari França"

VocĂȘ estĂĄ enganado se acha que a obra de Chico Buarque foi cantada e recriada de todas as formas possĂ­veis. Pela primeira vez em ritmo de rock, com letras em inglĂȘs, aqui estĂĄ Rockin' Chico, com 10 cançÔes do perĂ­odo 1968-1989 vertidas para o inglĂȘs com uma embalagem sofisticada de Rock'n'Roll e vocais magistrais de Vid. Sem essa de papo de release, Ă© isso mesmo.

O lançamento serĂĄ 13 de dezembro no Circo Voador. A crĂ­tica aclamou Vid como um vocalista top de linha do Rock Brasil. Ele passou pelo Sangue da Cidade, formou o grupo Vid e Sangue Azul e lançou quatro discos: "Vid & Sangue Azul" pela RCA, em 1985, "Vid & Sangue Azul" pela Cogumelo, em 1992, "A Bruxa", em 1997 pela Sempre MĂșsica/Passion e "DIVersĂ”es", solo, pela Warner em 2001, com versĂ”es de grandes clĂĄssicos do rock. Tocou no segundo Rock in Rio depois de derrotar 400 bandas na Escalada do Rock.

Apesar de ter o rock na alma, Vid teve contato com o Seu Francisco atravĂ©s da mĂŁe, ele mesmo nunca comprou um disco: "NĂŁo precisava porque minha mĂŁe jĂĄ fazia isso por mim. Antes do Chico lançar ela jĂĄ tinha rsrs." Vid nĂŁo se prendeu a fases da carreira do Chico, tanto que sua seleção cobre um perĂ­odo de 21 anos. "Isso nĂŁo importou, mas sim mĂșsicas que me marcaram, continham elementos da linguagem rock e permitiram um versionamento consistente."

Vid manteve a linha das letras originais sempre que possĂ­vel, em algumas teve que fazer adaptaçÔes. “Partido Alto” Ă© um caso em que seguiu outra linha pelo tĂ­tulo ser uma peculiaridade brasileira, entĂŁo virou “If You Know Who You Are” (Se VocĂȘ Sabe Quem VocĂȘ É). Algumas estrofes ficaram prĂłximas do original como essa: "Deus Ă© um cara gozador, adora brincadeira. Pois pra me botar no mundo tinha o mundo inteiro. Mas achou muito engraçado me botar cabreiro. Na barriga da misĂ©ria nasci brasileiro." Vid adaptou: "Lord Almighty's alright if you like some jokes. And you'd better find fun in His funny strokes. Such a wise move upon my birth. To pop me here on planet Earth (Of all universe, Lord...?!)" A parte musical Ă© inspirada em bandas pesadas como Ă© o caso de Deep Purple e AC/DC nesta.

Nos anos 80 Vid criou a MĂșsica Pauleira Brasileira, seu primeiro projeto para converter o que se rotula como MPB em rock: "Sempre gostei de trabalhar em portuguĂȘs e inglĂȘs. Faço isso atĂ© com minhas prĂłprias composiçÔes. Quando eu trabalho em MPB (MĂșsica Pauleira Brasileira), o objetivo Ă© universalizar a linguagem para um pĂșblico internacional de rock."

A idĂ©ia do projeto surgiu quando gravou Hino de Duran em portuguĂȘs para o songbook do autor na Editora Lumiar de Almir Chediak: "Foi ali mesmo. Eu jĂĄ tinha feito o arranjo pauleira de Partido Alto em 1986, outros arranjos para o MĂșsica Pauleira Brasileira original em 1994 (sete compositores ao todo, incluindo o Chico) e Hino de Duran em 1999. Quando ouvi as duas mĂșsicas do Chico juntas, pensei em estender esse trabalho para um projeto exclusivo com a obra dele em inglĂȘs e portuguĂȘs."

O projeto sĂł começou a ser preparado em 2007, chegando Ă  finalização agora, sete anos depois. Vid procurou o produtor e tecladista Paulo Henrique para fazer a gravação em seu (dele) estĂșdio Pedra da GĂĄvea com banda matadora (ver ficha tĂ©cnica abaixo). “Partido Alto” recebeu uma nova base e as influĂȘncias jĂĄ citadas. "VocĂȘ detecta sinais de Rush em Olhos nos Olhos e Dream Theater em CĂĄlice, por exemplo. No caso particular de Retrato em Branco e Preto, pedi ao Paulo Henrique para se inspirar na densidade do Black Sabbath. Acho que ele fez um excelente trabalho."

E fez mesmo. Retrato em Branco e Preto, por exemplo, virou uma balada sombria com um vocal dark: "I know all the steps along the road. It's a rainbow with no gold. All its secrets known by heart. I know all the rocks along the way. And I know alone I'll stay. On the road I'll fall apart."

Compare com o original: "Jå conheço os passos dessa estrada. Sei que não vai dar em nada. Seus segredos sei de cor. Jå conheço as pedras do caminho e sei também que ali sozinho. Eu vou ficar, tanto pior." O que não estå no original foi adaptado de maneira brilhante, como é o caso de "Sei que não vai dar em nada" virar "It's a rainbow with no gold."

Este release viraria um tratado se falasse de todas as mĂșsicas. Vid nĂŁo apenas verteu para o inglĂȘs, mas explica detalhadamente cada adaptação que fez, Ă  disposição dos interessados.

Assim Ă© todo o projeto, a ser lançado em CD, com uma segunda parte em portuguĂȘs reservada para algum momento de 2015. Saudemos a volta de Vid ao disco e ao palco, Ă© o lugar que ele merece e onde devia estar sempre.

RepertĂłrio:
1 - If You Know Who You Are (Partido Alto);
2 - Women Of Athens (Mulheres de Atenas)
3 - Eye To Eye (Olhos Nos Olhos)
4 - Portrait in Black and White (Retrato Em Branco E Preto)
5 - Duran's Code (Hino de Duran)
6 - I Forgive You (Mil PerdÔes)
7 - Grail (CĂĄlice)
8 - Swamp Of The Cross (Brejo da Cruz)
9 - (May) God Reward You (Deus lhe Pague)
10 - Two Brother's Hill (Morro Dois IrmĂŁos)

Ficha TĂ©cnica:
Concepção do projeto "Rockin' Chico" (Chico Buarque em rock e tambĂ©m em inglĂȘs): Sergio Vid.
VersĂ”es para inglĂȘs: Sergio Vid.
Escolha de repertĂłrio: Sergio Vid (todas as mĂșsicas, exceto Retrato em Branco e Preto, sugerida por Paulo Henrique Castanheira - PH).
Gravação: EstĂșdio Pedra da GĂĄvea (SĂłcios: PH Castanheira e trĂȘs Yahoo's, a saber: ZĂ© Henrique, Sergio Knust e Marcelo).
Produção: PH Castanheira.
Arranjos: Sergio Vid (Partido Alto) / Ricardo Marins (Mulheres de Atenas, Olhos nos Olhos, Hino de Durån, Brejo da Cruz, Mil PerdÔes, Deus lhe Pague) / PH Castanheira (Cålice, Retrato em Branco e Preto, Morro Dois Irmãos)
MĂșsicos nas gravaçÔes: Sergio Vid (lead vocals), Ricardo Marins (guitarra, violĂŁo e teclados), PH Castanheira (baixo e teclados), Sergio Melo (bateria em Partido Alto, Mulheres de Atenas, Olhos nos Olhos, CĂĄlice, Hino de DurĂĄn, Brejo da Cruz), Heitor Lima (bateria em Mil PerdĂ”es, Deus lhe Pague, Retrato em Branco e Preto e Morro Dois irmĂŁos), Sergio Knust (guitarra solo em CĂĄlice).
MĂșsicos no show do Circo Voador: Sergio Vid (lead vocals), Ricardo Marins (guitarra), Dudu Trentin (teclados), PH Castanheira (baixo), Heitor Lima (bateria).


 

 1 - 1 de 1
 
Musical Sun® - Todos os direitos reservados.